terça-feira, julho 09, 2019

Budens e o desleixo

Há alguns meses que a Rua 1º de Maio, em Budens, se encontra no estado que se pode ver nas duas imagens acima.
Será, certamente, por falta de tempo para se proceder ao arranjo necessário, pois desleixo não deve ser...

quarta-feira, julho 03, 2019

Jogo de cartas


Cinco amigos entretêm-se em animada partida de cartas, em Budens.

quarta-feira, junho 12, 2019

É Budens ou é a Amazónia?

As ruas da nossa aldeia estão todas as assim.
É caso para nos perguntarmos onde estamos? Em Budens ou na Amazónia?

segunda-feira, junho 10, 2019

A Igreja Matriz de Budens

Situada no centro de Budens, esta igreja é consagrada a São Sebastião, datando do século XVI.
Tem uma só nave. Na sua fachada, destacam-se os instrumentos de martírio do padroeiro (as setas), bem como um belíssimo portal setecentista que merece uma atenta observação. Igualmente merecedora de atenção é a sua interessante torre sineira.
O seu interior não apresenta, actualmente, nada de notável, uma vez que todo o seu recheio de talha dourada se perdeu por acção do sismo de Fevereiro de 1969.
Foi destruída pelo terramoto de 1755 e, por isso, reconstruída em 1762. No entanto, sofreu outras obras de restauro e remodelação em 1877 e 1926, respectivamente.
Possuí imagens antigas em madeira, de entre as quais: Nossa Senhora do Rosário, S. Pedro, Senhor Morto e S. Sebastião, padroeiro de Budens.


segunda-feira, abril 29, 2019

Jogo da «Sueca», no «Escondidinho»

Quatro amigos - Luís, José, Diamantino e Fernando -, em animada partida de «Sueca», no «Escondidinho», em Budens.
E quem ganhou? Pouco importa... (embora o semblante alegre do Diamantino possa dar uma pista)...

sexta-feira, maio 25, 2018

Vila do Bispo | Arqueologia: Villa Romana da Boca do Rio | Budens

Vila do Bispo | Arqueologia: Villa Romana da Boca do Rio | Budens: Fotografia de Ricardo Soares Ilustrações de Vítor Fragoso A cerca de um dos...

Leitura essencial e fundamental para aqui na freguesia termine, de vez, toda e qualquer especulação quer sobre a origem de Budens, quer sobre a Villa Romana da Boca do Rio.
É que, afinal, o conhecimento e o saber não ocupam lugar...

terça-feira, maio 22, 2018

Em Budens não se cumpre a Lei

«O luto, tal como numa situação pessoal, é um período de solidariedade e pesar para com alguém ou algo. No caso do luto nacional, estende-se a todo o país e acontece na sequência da figuras de grande importância ou devido a acontecimentos excecionais.
A medida mais conhecida, e também a prevista pela legislação portuguesa, é a colocação da Bandeira Nacional. Segundo o artigo 7º do Decreto-Lei nº 150/87, de 30 de Março, que estabelece as regras sobre o seu uso, esta deve ser colocada a meia-haste “durante o número de dias que tiver sido fixado”. Assim sendo, todas as outras bandeiras que sejam hasteadas a seu lado são também colocadas da mesma forma»., in jornal Expresso.
Na sequência do falecimento de António Arnaut, que lançou as bases do Serviço Nacional de Saúde, o Governo da República Portuguesa decretou para hoje, terça-feira, dia 22 de Maio de 2018, um dia de luto nacional.
Decorre do Decreto-Lei nº. 150/87, de 30 de Março que:
«Art. 7.º - 1 - Quando for determinada a observância de luto nacional, a Bandeira Nacional será colocada a meia haste durante o número de dias que tiver sido fixado.
2 - Sempre que a Bandeira Nacional seja colocada a meia haste, qualquer outra bandeira que com ela seja desfraldada será hasteada da mesma forma.
3 - Para ser içada a meia baste a Bandeira vai a tope antes de ser colocada a meia adriça, seguindo-se igual procedimento quando for arreada».
Mas em Budens, não! Em Budens, não! Como se pode ver pela fotografia captada na manhã deste dia 22 de Maio, a Junta de Freguesia não cumpre o luto nacional, conforme decretado pelo Governo e promulgado pelo Presidente da República. E é o que temos...

segunda-feira, março 19, 2018

Budens e a Toponímia (o nome do lugar)

Em conversas informais, cá pela aldeia, fala-se muitas vezes da origem do nome de Budens. De onde terá vindo? E que significará, interrogam-se muitas vezes os nossos conterrâneos?

«A toponímia é uma das fontes de maior riqueza e igual controvérsia do panorama das idades do ferro peninsulares. Diferentemente inserida na composição das regiões proto-históricas, a celtização dos nomes dos Castri/Oppida e de diversos outros elementos paisagísticos (antroponímicos, etnonímicos, etc.), revela de forma notória e insistente a força e a evidência plena das expansões de variegados povos do foro centro-europeu. (…) Desses arqueo nomes do Sul do território poderemos destacar, e de maneira puramente aleatória, as formas seguintes: Armona (ilha de); Arandis; Arcóbriga; Ardila; Brita/s; Budens; Caetobriga / Setobriga; Cantippo; Catraleucus; Evion; Évora», in A Toponímia Céltica e os vestígios de culturamaterial da Proto-História de Portugal, de José Manuel de Amaral Branco Freire. (mais informação aqui).
 
Segundo o Dicionário infopédia de Toponímia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018, o nome Budens virá do baixo-latim [Villa] Budensi, «a quinta de Budenso».

Já para outros estudiosos, o topónimo «Budens» terá vindo do Árabe «Bu Danis», que era o nome de tribo que governou Alcácer do Sal).

Enquanto não existirem mais e melhores provas sobre a origem do nome «Budens» fica aqui este contributo para mais e melhores conversas entre amigos e vizinhos...

Mais informação nestas ligações:
https://www.visitarportugal.pt/distritos/d-faro/c-vila-bispo/toponimos
http://www.csarmento.uminho.pt/docs/ndat/rg/RGVE1999_015.pdf

terça-feira, março 06, 2018

Ciclo da vida

A chuva tardou a chegar neste Inverno. Mas, agora que finalmente chegou, a vida também regressou aos campos, para satisfação de homens e de animais. É o Ciclo da Vida, em tarde tranquila, cá pela aldeia.

segunda-feira, janeiro 01, 2018

Praia da Boca do Rio, 01 de Janeiro de 2018

Quatro imagens da bela e tranquila Praia da Boca do Rio, no primeiro dia do ano de 2018.

terça-feira, dezembro 19, 2017

Gabriel a «virar frangos»

Aos 65 anos, com vitalidade e a alegria que se vê, Gabriel Viegas, vai «virando os frangos» que faz no churrasco da sua casa, para o almoço de familiares e de amigos.
Com uma vida laboral atribulada, Gabriel fez um pouco de tudo: trabalhou em restauração, na construção civil (que o levou «às Arábias» e que recorda, acima de tudo, pelas diferenças culturais que sentiu), foi pescador até às costas de Marrocos... e os muitos mais episódios que vai contando no dia-a-dia.
Que haja Saúde e da boa, Gabriel, para ir continuando a «virar os frangos» da Vida! E que todos nós o possamos acompanhar!

segunda-feira, dezembro 04, 2017

Barcos na Salema


Ao entardecer do dia 03 de Dezembro de 2017, os barcos ainda repousavam nas areias da Praia da Salema. Iriam mais tarde à faina, ou os seus tripulantes ficariam por terra?